Mensagem

Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: GÖLLER, Lisete. [inclua o título da postagem], in Memorial do Tempo (http://memorialdotempo.blogspot.com.br/), nos termos da Lei n.º 9.610/98.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Família Rarius











O SIGNIFICADO E A ORIGEM DO SOBRENOME (ANCESTRAIS DA FAMÍLIA ROHR)


A palavra Rarius vem do latim, possuindo o significado de ‘muito fino’. O sobrenome, porém, é de origem desconhecida. Foram achadas poucas famílias com este sobrenome. A referência mais antiga é a de Petrus Rarius, nascido em 1631 na cidade de Szczecinek, Pomerânia Ocidental, na Polônia, que se casou em 1661 com Euphrosyne Rubach (*17/02/1645 Kammin, Ostvorpommern, Mecklenburg-Vorpommern, Alemanha/+29/04/1683 Kammin, Ostvorpommern, Mecklenburg-Vorpommern, Alemanha), filha de Adam Rubach e Emerentia Staude, com quem teve oito filhos, todos nascidos na antiga localidade de Kammin. Petrus era pastor ou pároco (proboszcz no polonês), o principal sacerdote de uma paróquia, provavelmente na cidade onde nasceu. Por volta de 1660, emigrou para a Alemanha, onde se casou e teve filhos.  Petrus Rarius faleceu em 09/01/1691 em Kammin. Esta localidade foi extinta e integrada a Behrenhoff no ano de 2005. Além desta família, o sobrenome foi encontrado em outras cidades da Alemanha, Holanda e França.                                                                                                                
                                                                                                                                              

AS ORIGENS


Não foi possível determinar a cidade de origem dos nossos familiares Rarius, mas provavelmente situe-se próxima à cidade de Wiltingen, na Renânia-Palatinado, onde residiram os antepassados da Família Rohr. O presente estudo apresenta algumas informações sobre a descendência de minha heptavó Helena Rarius (Rarrius), sendo esta a bisavó paterna da imigrante Susanna Rohr, o qual foi baseado nos registros do Familienbuch de Wiltingen.


Wiltingen – Foto: Site Oficial de Wiltingen - Alemanha


HELENA RARIUS


Helena Rarius (Rarrius), minha heptavó (7ª avó) nasceu por volta de 1797 na Alemanha. Os nomes de seus pais são desconhecidos até o momento.


O CASAMENTO


Helena casou-se com Peter Zeimet (*1707 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Após 1758 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), por volta de 1727. O casal teve pelo menos uma filha.


A FILHA


I-Elisabeth Zeimet (*1727 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+1798 Alemanha), minha hexavó, casou-se com Nikolaus Rohr (*1700 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+01/03/1769 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), na data de 11/04/1747, na Igreja Católica de Pellingen. O casal teve pelo menos seis filhos.


O FALECIMENTO


Helena Rarius faleceu na data de 24/11/1758, na cidade de Wiltingen.



ELISABETH ZEIMET


Elisabeth Zeimet, minha hexavó (6ª avó), filha de Peter Zeimet e Helena Rarius, nasceu por volta de 1727, possivelmente na cidade de Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha. 
                                                                                     

O CASAMENTO


Elisabeth casou-se com Nikolaus Rohr (*1700 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+01/03/1769 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), na data de 11/04/1747, na Igreja Católica de Pellingen. O casal teve pelo menos seis filhos.


OS FILHOS


I-Margaretha Rohr (*1750 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+05/04/1820 Niederzerf, Renânia-Palatinado, Alemanha) casou-se com Matrias Lillig (*17/10/1762 Zerf, Renânia-Palatinado, Alemanha/+23/10/1825 Zerf, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Johann Adam Lillig e Anna Müller, na data de 31/07/1787, na cidade de Zerf. O casal teve pelo menos dois filhos: Johann Lillig e Margaretha Lillig;

II-Barbara Rohr (*24/09/1754 Krettnach, Renânia-Palatinado, Alemanha/+21/12/1805 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha) casou-se com Jakob Schue (*12/04/1747 Oberemmel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+05/04/1807 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Matthias Schue e Maria Katharina Remmel, na data de 21/04/1784, na cidade de Wiltingen. O casal teve pelo menos dois filhos: Nikolaus Schue e Jakob Schue;

III-Anna Maria Rohr (*05/04/1757 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Matthias Mergen (*Alemanha/+Alemanha), por volta de 1794. Tiveram pelo menos uma filha chamada Maria Mergen;

IV-Franz Anton Rohr (*21/03/1759 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se em primeiras núpcias com Susanna Kramp por volta de 1781; em segundas núpcias com Margaretha Barth, por volta de 1807; em terceiras núpcias com Susanna Schuter, filha de Johannes Schuter e Eva Thiel, na data de 24/05/1810, na cidade de Wiltingen; em quartas núpcias com Anna Maria Busch, filha de Franz Busch e Angela Schmitz, na data de 26/12/1817 em Wiltingen e, em quintas núpcias, com Margaretha Aron, filha de Johann Aron e Maria Katharina Quint, em 02/11/1821 na cidade de Wiltingen;

V-Johannes Petrus Rohr (*08/08/1763 Palzem, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Pellingen. Sem mais notícias;

VI-Michael Rhor (*19/06/1766 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+30/01/1823 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha), meu pentavô, casou-se com Maria Katharina Cremer (*20/07/1766 Klüsserath, Renânia-Palatinado,Alemanha/+19/01/1819 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha), filha de Johann Cremer e Elisabeth Blasmann, na data de 25/01/1792, na Igreja Católica de Wiltingen. O casal teve quatro filhos.

                                                                                        
O FALECIMENTO


Elisabeth Zeimet faleceu por volta de 1798 na Alemanha.



MICHAEL ROHR


Michael Rohr, meu pentavô (5º avô), filho de Nikolaus Rohr e Elisabeth Zeimet, nasceu na data de 19/06/1766 em Wiltingen, cidade alemã da Renânia-Palatinado.                                    
 

O CASAMENTO


Michael Rohr casou-se com Maria Katharina Cremer (*20/07/1766 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+19/01/1819 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha), filha de Johann Cremer e Elisabeth Blasmann, na data de 25/01/1792, na Igreja Católica de Wiltingen. O casal teve pelo menos quatro filhos.


OS FILHOS (VER FAMÍLIA ROHR)


I-Johann Rohr (*23/07/1794 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

II-Johann Jacob Rohr (*23/07/1794 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+14/03/1801 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha);

II-Anna Maria Susanna Rohr (*20/05/1799 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+11/01/1887 Bom Princípio RS) casou-se com Philipp Schmitz (*24/12/1797 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+09/01/1853 Picada Feijão, Ivoti RS), na data de 14/02/1825, na cidade de Klüsserath, filho de Johann Nepomucenus Schmitz e de Anna Maria Schmitz;

III-Maria Anna Rohr (*07/01/1803 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha /+25/06/1890 Dois Irmãos RS) casou-se com Mathias Feiten (Veiten) (*31/03/1797 Ensch, Renânia-Palatinado, Alemanha/+03/03/1856 Dois Irmãos RS), filho de Jacob Feiten e Christine Merges, na data de 21/01/1823 em Klüsserath. 

                                                                                       
O FALECIMENTO


Michael Rohr faleceu na data de 30/01/1823 na cidade de Klüsserath, viúvo de Maria Katharina Cremer, que faleceu na mesma cidade na data de 19/01/1819.



Família Rarius - Genealogia

(Antepassados da Família Rohr)

Segue abaixo a árvore genealógica da família no formato PDF, desde os ancestrais mais antigos, que pode ser acessada através do link do Google Drive.



Clicar no link abaixo para visualizar a árvore genealógica da família:
Última atualização 03/10/2017


Família Göller - Certificado de Honra ao Mérito


Recebi este Certificado de Honra ao Mérito das cidades alemãs de Dörrebach e Hergenfeld, neste ano que marca os 170 Anos de chegada da Família Göller ao Brasil. São as cidades de onde viveram os meus antepassados, que representaram o ponto de partida para as minhas pesquisas. Sintam-se também homenageados todos aqueles que contribuíram com informações, documentos e fotos, durante estes longos anos de pesquisas, ajudando a dar forma e conteúdo a este trabalho, que atinge agora este marco de reconhecimento. 




(Tradução Livre)

Certificado de Honra ao Mérito

Senhora Lisete Göller
de Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Possui uma pesquisa extensa e bem sucedida sobre a imigração de famílias alemãs no Rio Grande do Sul por muitos anos.

O foco de seu trabalho foi a genealogia e a história de seus antepassados da Família Göller. Para isto, ela identificou dados pessoais que remontaram ao ano de 1645.

Gostaríamos de agradecê-la por esta atividade de longa data, sua dedicação altruísta e as idéias valiosas também para os nossos descendentes e, por isso, nós lhe concedemos este reconhecimento. Com os nossos sinceros agradecimentos, de Dörrebach e Hergenfeld (assinam os representantes das respectivas Prefeituras). Julho de 2017.


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Família Rohr - Álbum de Família - Imigrante Maria Anna Rohr Feiten


IMIGRANTES MARIA ANNA ROHR E MATHIAS FEITEN

RAMO PEDRO FEITEN E ESPOSA MARIA MARGARETHA WICKERT


SUB-RAMO JOSÉ FEITEN E ESPOSA HELENA BOLL


José Feiten, filho de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert e neto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr, casado com Helena Boll - Foto: Lisete Göller

Alfredo Feiten, filho de José Feiten e Helena Boll, neto de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert e bisneto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr, casado com Paulina Romilda Willers - Foto: Lisete Göller

Affonso Feiten, filho de José Feiten e Helena Boll, neto de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert, e bisneto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr, casado com Idalina Willers - Foto: Lisete Göller

Ruby Miguel Feiten, filho de Affonso Feiten e Idalina Willers, neto de José Feiten e Helena Boll, e bisneto de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert, casado com Nelsia Lauck - Foto: Lisete Göller


SUB-RAMO JORGE FEITEN E ESPOSA CAROLINA HENNEMANN


João Feiten, filho de Jorge Feiten e Carolina Hennemann, neto de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert e bisneto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr, casado com Wilma Willers - Foto: Lisete Göller

Prudêncio Feiten, filho de Jorge Feiten e Carolina Hennemann, neto de Pedro Feiten e Maria Margaretha  Wickert e bisneto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr, casado com Maria José Raymundo - Foto: Lisete Göller


SUB-RAMO ELISABETH FEITEN E JOÃO LEHNEN


Pedro José Lehnen, filho de Elisabeth Feiten e João Lehnen, neto de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert, e bisneto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr, casado com Paulina Boll – Foto: Lisete Göller

Urbano Lehnen, filho de Pedro José Lehnen e Paulina Boll, bisneto de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert, e trineto dos imigrantes Mathias Feiten e Maria Anna Rohr - Foto: Lisete Göller



Família Rohr - Lápides - Imigrante Maria Anna Rohr Feiten


IMIGRANTES MARIA ANNA ROHR E ESPOSO MATHIAS FEITEN

RAMO PEDRO FEITEN E ESPOSA MARIA MARGARETHA WICKERT


SUB-RAMO JORGE FEITEN E ESPOSA CAROLINA HENNEMANN


Túmulo de Jorge Feiten, filho de Pedro Feiten e Margaretha Wickert, e da esposa Carolina Hennemann, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Lápide do casal Jorge Feiten, filho de Pedro Feiten e Margaretha Wickert, e Carolina Hennemann, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Túmulo de João Feiten, filho de Jorge Feiten e Carolina Hennemann, e da esposa Wilma Willers, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Túmulo de Prudêncio Feiten, filho de Jorge Feiten e Carolina Hennemann, e da esposa Maria José Raymundo, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


SUB-RAMO JOSÉ FEITEN E ESPOSA HELENA BOLL


Túmulo de José Feiten, filho de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert, da esposa Helena Boll e do filho Alfredo Feiten, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Túmulo de Affonso Feiten, filho de José Feiten e Helena Boll, da esposa Idalina Willers e do filho Ruby Miguel Feiten, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Túmulo de Emilio Feiten, filho de José Feiten e Helena Boll, da esposa Lucinda Willers, do filho Alípio Feiten e nora Erenita Lacy, e dos sogros do filho Eligios, Marcolino Liborio Raymundo e Ella Lauer Raymundo, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Túmulo de Eligios Feiten, filho de Emilio Feiten e Lucinda Willers, casado com Maria Lucila Raymundo, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


SUB-RAMO FREDERICO FEITEN E ESPOSA EMILIA L. FEITEN


Túmulo de Frederico (Friedrich) Feiten, filho de Pedro Feiten e Maria Margaretha Wickert, da esposa Emilia L. Feiten, da filha Cecilia Feiten Foldenauer e do genro João Batista Foldenauer, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


SUB-RAMO ELISABETH FEITEN E ESPOSO JOÃO LEHNEN


Túmulo de Pedro José Lehnen, filho de Elisabeth Feiten e João Lehnen, e da esposa Paulina Boll, no Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal


Lápide de Urbano Lehnen, filho de Pedro José Lehnen e Paulina Boll, Cemitério Católico de Parobé RS. Foto: Arquivo Pessoal



Família Rohr - Lápides - Imigrante Maria Anna Rohr Feiten


IMIGRANTES MARIA ANNA ROHR E ESPOSO MATHIAS FEITEN

RAMO MATHIAS FEITEN FILHO E ESPOSA MARIA MARGARETHA WICKERT


Lápide do túmulo de Catharina Feiten, neta de Maria Anna Rohr, filha de Mathias Feiten Filho e Maria Margarida Wickert, e do esposo Nicolau Wendling; além destes, encontram-se Nicolau Wendling Filho, bisneto de Maria Anna Rohr e a esposa Guilhermina Büttenbender, no Cemitério Católico de Wallachei – Morro Reuter RS. Foto: Acervo de Marlene Lauxen Matos


Lápide de Anna Maria Wendling, bisneta de Maria Anna Rohr, neta de Mathias Feiten Filho e Maria Margarida Wickert, filha de Catharina Feiten e Nicolau Wendling, casada com Aloísio Braun, no Cemitério Católico de Jammerthal – Picada Café RS. Foto: Acervo de Marlene Lauxen Matos


Lápide do túmulo de Aloísio Braun, esposo de Anna Maria Wendling, no Cemitério Católico de Jammerthal – Picada Café RS. Foto: Acervo de Marlene Lauxen Matos


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Família Mossmann - 1ª Comunhão (Eucaristia) - Ramo Jacob Mossmann (Filho)


RAMO JACOB MOSSMANN (FILHO) E MARGARETHA SCHNEIDER – SUB-RAMO JACOB MOSSMANN (NETO) CAROLINA LENHARD 


Marlise Juchem (*04/04/1974 Itapiranga SC/+07/08/2011 Itapiranga SC), filha de Francisco Roque Juchem e Noeli Mossmann, neta de Levino Mossmann e Maria Elvira Wideck, bisneta de João Balduíno Mossmann e Margarida Christiana Schuh, trineta de Jacob Mossmann (Neto) e Carolina Lenhard e tetraneta do imigrante Jacob Mossmann (Filho) e Margaretha Schneider, fez a Primeira Comunhão na Igreja Matriz de Tunas (hoje município de Tunápolis-SC), em 14 de dezembro de 1986, aos 12 anos de idade. Casou-se com Vilson Von Borstel em 13/05/1995, com quem teve a única filha Ana Luísa Juchem Von Borstel – Foto: Francisco Roque Juchem


Lembrança da Primeira Comunhão de Marlise Juchem, na Igreja Matriz de Tunas (Tunápolis SC) - 14/12/1986 - Foto: Francisco Roque Juchem


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Família Rohr - Álbum de Família - Imigrante Susanna Rohr Schmitz


IMIGRANTES SUSANNA ROHR E PHILIPP SCHMITZ

RAMO MARGARETHA SCHMITZ E ESPOSO JOHANN GÖLLER


SUB-RAMO JOSÉ GÖLLER E ESPOSA ELISABETHA STRASSER


Netos de José Göller, filho de Margaretha Schmitz e do imigrante Johann Göller: (esq. p/dir., de pé) Egon Göller, Flávio Albino Göller, Victor Ernesto Göller; (sentadas) Guisella Göller, Idalina Schmitz (nora de José Göller e viúva de Jacob Göller Sobrinho) e Gerda Göller – Porto Alegre RS, 17/08/1958 - Foto: Lisete Göller


Família Rohr - Álbum de Família - Imigrante Susanna Rohr Schmitz


IMIGRANTES SUSANNA ROHR E PHILIPP SCHMITZ

RAMO MARIA ANNA SCHMITZ E ESPOSO PETER SCHMITZ


SUB-RAMO FELIPPE SCHMITZ E ESPOSA ELISABETHA WEBER


Família de Pedro Fridolino Schmitz, filho de Felippe Schmitz e Elisabetha Weber, neto dos imigrantes Maria Anna Schmitz e Peter Schmitz e bisneto dos pais deste casal, Philipp Schmitz (o Grande) e Maria Merges e Philipp Schmitz (o Pequeno, nosso imigrante) e Susanna Rohr – (de pé, atrás) Maria Anísia (Irmã Benedita), Padre Egídio Francisco, Reinaldo Eugênio, Padre Pedro Ignácio, Aloísio Roque; (de pé, à frente) Tereza Edwig e Maria Carmen; (sentados) Pedro Fridolino e a esposa Maria Hilda Angst – Bom Princípio RS – Foto: Acervo de Ana Maria Schmitz



sábado, 16 de setembro de 2017

Família Schmitz (Philipp) - Histórias - Ramo Maria Anna (Schmitz) Schmitz


RAMO MARIA ANNA SCHMITZ – FILHA DOS IMIGRANTES PHILIPP SCHMITZ E SUSANNA ROHR – CASADA COM PETER SCHMITZ

SUB-RAMO FELIPPE SCHMITZ CASADO COM ELISABETHA WEBER


ALOÍSIO ROQUE SCHMITZ

Aloísio Roque Schmitz (*14/07/1934 Bom Princípio RS/+20/06/2014 Bom Princípio RS) era filho de Pedro Fridolino Schmitz e Maria Hilda Angst, neto de Felippe Schmitz e Elisabetha Weber, bisneto dos imigrantes Peter Schmitz e Maria Anna Schmitz e trineto dos pais deste casal, Philipp Schmitz (o Grande) e Maria Merges e Philipp Schmitz (o Pequeno, nosso imigrante) e Susanna Rohr. Foi casado com Maria Therezinha Poersch, com quem teve cinco filhos. Ele foi um grande empresário, líder político e comunitário, que muito contribuiu com sua mente visionária para o desenvolvimento da cidade de Bom Princípio RS e de toda a região. 


Aloísio Roque Schmitz e Família – Bom Princípio RS – Foto: Jornal QTal

Autor: Jornalista Renato Klein. Texto publicado no Jornal Fato Novo, Edição de 24/06/2014. 

Roque Schmitz, como era mais conhecido, nasceu numa família de agricultores residentes em Bom Princípio, no dia 14 de julho de 1934. Seus pais foram Fridolino e Hilda Schmitz. Quando era ainda menino, Roque estudou no colégio dos Irmãos Maristas, em Bom Princípio. Mas não teve condições de continuar os seus estudos imediatamente, pois precisou trabalhar cedo para ajudar no sustento da família. Ele casou com Maria Therezinha Poersch e o casal teve cinco filhos: Maria de Nazaré, Luis Antônio, João Paulo, Ana Maria e Maria Fidelis. Esta última falecida num acidente automobilístico, quando tinha apenas 15 anos de idade.

Aos 42 anos, Roque voltou a estudar e formou-se engenheiro mecânico na UNISINOS, fazendo ainda um curso de pós-graduação em ecologia humana. Nos anos de 1979 a 1982, ele foi secretário de obras em São Sebastião do Cai, município que, na época, incluía Bom Princípio, São Vendelino, São José do Hortêncio e Capela de Santana. Na primeira eleição ocorrida em Bom Princípio, no ano de 1982, Roque foi candidato a prefeito, mas foi derrotado por Hilário Junges. Depois disso, ele ainda atuou como secretário de obras na prefeitura de Bom Princípio, (no governo de César Baumgratz); na de Feliz, com o prefeito Clóvis Assmann, e em São Vendelino, com Leonardo Willrich.


CONSTRUTOR DE CIDADES

Mas a maior contribuição dada por Roque Schmitz à região foi a implantação de notáveis loteamentos. Todos concebidos de forma planejada e ordeira. O que ajudou algumas das principais cidades da região a ter um desenvolvimento harmônico e sustentável. O primeiro deles, nos anos de 1979 a 1980, foi o Loteamento Schmitz, realizado em terras da sua família, junto ao centro da atual cidade de Bom Princípio.

Nos anos de 1983 a 1984, Roque teve a ousadia de implantar um enorme loteamento, com 18 hectares, em terras situadas do outro lado a antiga RS-122. Na época, a rodovia era extremamente movimentada e perigosa e se constituía numa barreira. Não parecia bom morar do outro lado da faixa. Mas o loteamento foi um sucesso e outros foram implantados pela empresa de Roque (a Imobiliária Schmitz) naquele setor da cidade: o Recanto Verde e o Paraíso do Vale.

Também em Bom Princípio, a Imobiliária Schmitz implantou o loteamentos John, em Santa Terezinha e o do Morro Tico-tico. Ainda em Santa Terezinha, foram criados os loteamentos Barle e Persch. Atualmente, a imobiliária está implantando mais um loteamento, o Aurora, em Bom Princípio.

A pequena vila de Bom Princípio, da década de 1970, transformou-se numa cidade. E esse crescimento, que poderia ter ocorrido de forma desordenada, como costumava acontecer naquela época, ocorreu de forma planejada. E isso ocorreu graças à visão privilegiada do engenheiro/ecologista Roque Schmitz.

 Expandindo os negócios. Já seria muito, se fosse apenas essa a obra de Roque Schmitz. Mas o seu trabalho não ficou limitado ao seu município. Na cidade de Feliz, a Schmitz fez um dos seus mais ousados empreendimentos: o loteamento Colina, no bairro Matiel, com área de 28 hectares. Não muito menos do que o tamanho da cidade naquela época. Ainda na Feliz, foi implantado o loteamento Encosta da Serra, na localidade de Arroio Feliz. No Vale Real, Roque implantou os loteamentos Zimmer e Morada do Vale.

A empresa de Roque também teve participação fundamental na expansão urbana de São Sebastião do Caí. Já em 1988, foi implantado o Loteamento Laux, numa época em que a cidade ainda era repartida em lado de lá e de cá da faixa (o traçado antigo da RS-122, na qual os veículos transitavam entre a Serra e a Grande Porto Alegre. Ainda no Caí, a Schmitz implantou os loteamentos Morada do Vale, Rio da Mata e Angico, tendo mais dois em projeto.

No Pareci Novo, foram criados os loteamentos Colina das Flores e Jardim Ipê. Mais recentemente, a empresa expandiu seus negócios até Montenegro, onde implantou os loteamentos Mão de Pilão e Mão de Pilão 2. 

O fato de haver realizado tanto não impediu Roque de se dedicar a atividades públicas, como o canto coral, e particulares, como o cultivo de flores e jardins. Era extremamente cordial, mesmo que pouco falante. Falando de forma amena e ouvindo com atenção, transmitia a todos o seu espírito positivo e fraterno.