Mensagem

Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: GÖLLER, Lisete. [inclua o título da postagem], in Memorial do Tempo (http://memorialdotempo.blogspot.com.br/), nos termos da Lei n.º 9.610/98.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Memórias de uma Cidade - Tradições Portuguesas


ROMARIA PORTUGUESA – PORTUGAL E SUAS FESTAS POPULARES


1ª Edição da Romaria Portuguesa – Portugal e Suas Festas – Foto: Romaria Portuguesa - Facebook

A Igreja das Dores foi palco da 1ª Edição da festa de Porto Alegre inspirada nas tradicionais festas e romarias portuguesas, já que o culto a Nossa Senhora das Dores foi trazido pelos portugueses. Inicialmente, a festa estava programada para acontecer no mês de outubro, dentro dos festejos dos 185 anos da Paróquia de Nossa Senhora das Dores, mas, em função do tempo chuvoso, a festa foi transferida para o dia 25/11/2017. As atrações abrangeram música, dança, literatura, artesanato, gastronomia e missa comemorativa. A Igreja de Nossa Senhora das Dores situa-se no Centro Histórico de Porto Alegre RS, na Rua dos Andradas, nº 597, sendo considerada a mais antiga existente na atualidade. Vejamos um pouco de sua história.




HISTÓRIA DA IGREJA DAS DORES

A devoção a Nossa Senhora das Dores foi trazida ao Brasil pelos portugueses por volta do ano de 1770. Em Porto Alegre, o culto já era realizado em 1779, através de devotos que mandavam rezar uma missa especial às sextas-feiras, num dos altares laterais com a imagem da Padroeira, na antiga sede da Matriz da Mãe de Deus. Esta era a principal igreja de Porto Alegre, que, posteriormente, veio a se tornar a Catedral Metropolitana. O núcleo de fiéis evoluiu para uma Irmandade e, mais tarde, foi elevada à Ordem Terceira, formada por leigos católicos vinculados à Ordem dos Servos de Maria, uma ordem religiosa de frades que cultuavam devoção a Nossa Senhora das Dores. Depois, uma freguesia autônoma foi criada em 24/10/1832, quando se desmembrou da paróquia da Madre de Deus, mas somente em 1859, por indicação de Dom Pedro II, recebeu um pároco que era o Padre José Soares do Patrocínio Mendonça. 


Numa imagem panorâmica vemos, ao lado da Capela do Espírito Santo (primeira à esquerda), a Igreja Matriz da Mãe de Deus, futura Catedral Metropolitana, na Praça Mal. Deodoro, e a Igreja das Dores (dir.), de frente para o Guaíba – Final da Década de 1910

A pedra fundamental do prédio da Igreja de Nossa Senhora das Dores foi lançada em 02/02/1807. No ano de 1813, foi concluída a capela-mor, e a imagem de Nossa Senhora foi trasladada da Matriz para a nova igreja. A consagração da igreja ocorreu em 10/05/1868, através do Bispo Dom Sebastião Dias Laranjeira. A partir de doações, o templo foi sendo ampliado e modificado. Foram acrescidas as escadarias de 63 degraus em 1873, e as torres, no estilo barroco português, foram concluídas somente no final do Século XIX. Somente em 1904 as obras chegaram ao seu término.


A Igreja das Dores quando ainda não tinha os campanários – 1890 – Fonte: Igreja das Dores - Facebook

Uma vez inaugurado o corpo da igreja, coube ao prior, Capitão Mar e Guerra Manuel de Oliveira Paes embelezar e emparelhar o templo. De 1869 a 1873 foi construída a imponente escadaria, com verbas provenientes de loterias, concedidas para este fim pelo governo da Província. O terreno na frente da igreja foi recebido pela Irmandade em 1859, com 124 palmos sob o alinhamento da Rua da Praia. Neste local, até 1857, eram executados os condenados à forca. Para a construção da escadaria, era condição da intendência de que a Ordem Terceira construísse um cais, que foi executado através de auxílio financeiro do Prior da época: o conhecido e influente comerciante Lopo Gonçalves Bastos. Desde então, a centenária escadaria das Dores é palco para diversas atividades artísticas e religiosas: Procissões, festas juninas, apresentação de orquestras, esquetes teatrais e o aniversário da Capital dos Gaúchos.


A Igreja das Dores no final do Século XIX – Fonte: Blog Por Porto Alegre

O projeto original da Igreja Nossa Senhora das Dores foi traçado no estilo barroco colonial, porém, ao longo do tempo, a necessidade de sua readequação levou à contratação do arquiteto Júlio Weise, que reelaborou a fachada no estilo eclético, com influência germânica. No interior do templo, elementos barrocos convivem com as concepções neoclássicas. Além disso, possui um rico acervo, composto por cerca de dois mil itens, por isso há planos de ser futuramente sede de um Museu de Artes Sacras. Na atualidade, depois de ter passado por diversas restaurações, a igreja foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN). 


Detalhes da atual da Igreja – Fotos: Lisete Göller

OS PRIMEIROS REGISTROS ECLESIÁSTICOS

O primeiro batismo foi realizado em 27/03/1859, referente ao menino João da Silveira, filho de João José da Silveira e Florentina Joaquina da Conceição. O primeiro casamento foi realizado em 19/03/1859, sendo os noivos Manoel da Costa Cardoso e Antonia Lourenço do Espírito Santo. O primeiro registro de óbito, ocorrido em 21/03/1859, foi o de Israel Soares de Paiva, natural de Porto Alegre, aos 65 anos, sendo viúvo de Dona Belmira de Souza Lima e Paiva. Os registros foram feitos pelo pároco, Padre José Soares do Patrocínio Mendonça.


ATRAÇÕES DA ROMARIA PORTUGUESA – PORTUGAL E SUAS FESTAS POPULARES

No dia da Romaria Portuguesa, a tarde foi chuvosa. Por esta razão, a festa foi realizada no salão paroquial. Na abertura, visita às barraquinhas de gastronomia e artesanato portugueses.


Artesanatos tipicamente portugueses e tamancos com temática portuguesa pelo Atelier Mãos e Artes; quadros retratando Portugal da Coisas da Beltrana – Fotos: Romaria Portuguesa – Facebook


Doces portugueses da confeitaria Amo.te Lisboa; vinhos e espumantes portugueses trazidos da Porto a Porto; na barraquinha da Casa de Portugal, representada pelo Chef Joaquim Rodrigues, Bolinhos de Bacalhau e Bacalhau a Gomes de Sá - Fotos: Romaria Portuguesa – Facebook


Apresentação de música portuguesa comandada por Antônio Leitão, que integrou o grupo Boinas Brancas da Casa de Portugal – Foto: Lisete Göller


Na apresentação de trechos de obras dos poetas Fernando Pessoa e Florbela Espanca, além dos romancistas Eça de Queiroz e José Saramago, a jornalista e Mestre em Literatura pela UFRGS, Patrícia Lima, fez uma leitura destes autores portugueses – Foto: Lisete Göller


Um momento muito aguardado: a Dança Açoriana apresentada pelo Rancho Folclórico da Casa dos Açores do RS – Foto: Lisete Göller


O grupo Rancho Folclórico foi fundado em 25/07/1992, com o apoio do Governo Regional dos Açores, Portugal – Foto: Lisete Göller


Karine da Cunha, uma catarinense radicada no Rio Grande do Sul, apresentou “Cantoras Portuguesas”, interpretando algumas canções da nova geração de cantoras da música portuguesa – Foto: Romaria Portuguesa – Facebook


Depois da Missa Comemorativa na Igreja das Dores, o grupo Alma Lusitana, criado em 2005, fez o show de encerramento da Romaria Portuguesa, com fados e músicas portuguesas – Foto: Romaria Portuguesa – Facebook


Foto: Dayane Alencar


quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Família Abarno Sem Fronteiras - Argentina













Encontro com a querida prima argentina, Viviana Abarno, bisneta de Victor Abarno, irmão de meu bisavô Nicola Abarno – 02/12/2017, Porto Alegre, Brasil


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Família Rohr 1ª Parte - Ancestrais na Alemanha












A ORIGEM DO SOBRENOME


Os primeiros registros medievais do sobrenome têm origem na Prússia, e aparecem no Estado de Brandemburgo na Alemanha. Os ancestrais com este sobrenome habitavam os territórios germânicos entre os séculos XI e XII.


O SIGNIFICADO


A palavra Rohr, no alemão, quer dizer “caniço, taquara ou junco”. É um nome de origem toponímica.
                                                                                         

O BRASÃO


O escudo é dividido em suas metades: uma em negro e a outra em prata.




AS ORIGENS


As  origens dos mais antigos ancestrais da família Rohr estudados até o momento estão ligadas às cidades de Monzel, Minheim, Wiltingen e Klüsserath, na Renânia-Palatinado, sendo que esta última é o local de nascimento das irmãs Maria Susanna Rohr, minha tetravó, e Maria Anna Rohr, que emigraram da Alemanha ao Brasil com suas famílias, Schmitz e Feiten, respectivamente.


                                                                                                                 

Klüsserath localiza-se às margens do Rio Mosela, sendo uma comuna do Verbandsgemeinde Schweich no distrito de Trier-Saarburg, na Renânia-Palatinado na Alemanha, entre Bernkastel-Kues e Trier. Localiza-se num anfiteatro natural e largo do vale do Rio Mosela, onde estão plantados vinhedos em aproximadamente 90 hectares, com até 83% de inclinação, a maior do Mosela. Sua superfície é de 11,70 m² e, em 30/06/2006, possuía 1.131 habitantes. O nome do lugar tem as interpretações mais diversas. A sílaba final “rath” significaria uma aglomeração que nasceu de um “arroteamento”. A primeira parte seria derivada de Chlodwig (Clóvis I) ou Chlothar (Chlothar I). Há quem diga que derivaria de Cluturiacum, do celta, ou Cluserado. Os primeiros habitantes teriam sido os celtas, embora não existam provas conclusivas. Na Idade Média, no final do século V, os francos tomaram posse do vale do Rio Mosela por um longo período. 


Vista de Klüsserath - Fonte: Wikipedia


PETER ROHR

Peter Rohr, meu eneavô (9º avô), nasceu provavelmente em Monzel, no município de Osann-Monzel, antes do ano de 1587, pois seu nome é mencionado no Weinzinsregister, assim com sua irmã Elisabeth. Os nomes de seus pais são ignorados até o momento.


O CASAMENTO

Peter casou-se com NN, cujo nome e sobrenome são desconhecidos, na Alemanha. Tiveram pelo menos um filho.


O FILHO

I-Jodocus ou Jodoc Rohr (*1630 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+06/03/1669 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha), também conhecido pelo nome familiar de Josten, meu octavô (8º avô), casou-se em primeiras núpcias com Anna Schander (*30/07/1627 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+27/05/1656 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha), filha de Matthias Schander e Catharina Zeimes, com quem já mantinha convivência, na data de 26/11/1652, na Igreja Católica de St. Nikolaus em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel). O casal teve pelo menos cinco filhos: Johann Gerhard, Barbara, Heinrich, Jakob e Johann Wilhelm; após ter ficado viúvo, casou-se em segundas núpcias com Margaretha NN (* Rivenich, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), na data de 21/10/1656, na Igreja de St. Nikolaus em Monzel, com quem teve pelo menos quatro filhos: Apollonia, Elisabeth e duas crianças de sexo desconhecido.


O FALECIMENTO

Peter Rohr faleceu em data e local ignorados até o momento.


Vista do município de Osann-Monzel – Fonte: Site Oficial de Osann-Monzel


JODOCUS ROHR 

Jodocus ou Jodoc Rohr, também conhecido pelo nome familiar de Josten, meu octavô (8º avô), era filho de Peter Rohr e de mãe cujo nome é desconhecido, tendo nascido por volta de 1630 em Monzel, município de Osann-Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha.


O 1º CASAMENTO

Jodocus casou-se com Anna Schander (*30/07/1627 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+27/05/1656 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha), filha de Matthias Schander e Catharina Zeimes, com quem já mantinha convivência, na data de 26/11/1652, na Igreja Católica de St. Nikolaus em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel). O casal teve pelo menos cinco filhos.


A Igreja Católica de St. Nikolaus no distrito de Monzel – Fonte: Site Oficial de Osann-Monzel


OS FILHOS

I-Johann Gerhard Rohr (*1651 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), meu heptavô, casou-se com Maria Elisabeth Diedrich (*30/03/1664 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filha de Johannes Diedrich e Elisabetha Schanei (Schanaei), na data de 27/01/1681, na Igreja de St. Nikolaus em Monzel. O casal teve doze filhos;

II-Barbara Rohr (*1652 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

III-Heinrich Rohr  (*1653 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se em primeiras núpcias com Elisabeth Klas (*1657 Alemanha/+05/04/1699  Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha), em 26/08/1682, em Monzel, com quem teve nove filhos: Barbara, Johann, Jacobus, Susanna, Georg, Johann Gerhard, Peter, Joseph e Margaret; casou-se em segundas núpcias, com Susanna Schons (*1661 Sehlem, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filha de Matthias e Catharina Schons, na data de 03/02/1701, na Igreja Católica de St. Peter em Osann (Gemeinde Osann-Monzel). O casal teve pelo menos dois filhos: Peter Rohr e Hans Wilhelm;

IV-Jakob Rohr (*14/04/1654 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

V-Johann Wilhelm Rohr ou Hans Rohr (*30/04/1656 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Maria NN, no ano de 1690 em Monzel. O casal teve os filhos: German, Johann Gerhard, Johann Ewerhard e Jodocus.


O 2º CASAMENTO

Após ter ficado viúvo, Jodocus casou-se com Margaretha NN (* Rivenich, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), na data de 21/10/1656, na Igreja de St. Nikolaus em Monzel. O casal teve pelo menos quatro filhos.


OS FILHOS

I-Apollonia Rohr (*21/10/1657 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

II-Elisabeth Rohr (*1660 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Jakob Hilgert no ano de 1685 em Monzel;

III-NN Rohr  (*1664 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), criança de sexo desconhecido; 

IV-NN Rohr (*1667 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), criança de sexo desconhecio.


O FALECIMENTO

Jodocus Rohr faleceu em 06/03/1669 na localidade de Monzel, aos 39 anos de idade.



JOHANN GERHARD ROHR 

Johann Gerhard Rohr ou Hans Gerhard Rohr, meu heptavô (7º avô), filho de Jodocus Rohr e Anna Schander, nasceu por volta de 1651, no distrito de Monzel, município de Osann-Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha. 


O CASAMENTO

Johann Gerhard casou-se com Maria Elisabeth Diedrich (*30/03/1664 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filha de Johannes Diedrich e Elisabetha Schanei (Schanaei), na data de 27/01/1681, em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel), na Igreja de St. Nikolaus. O casal teve doze filhos.


OS FILHOS

I-Elisabeth Rohr (*25/07/1683 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

II-Maria Katharina Rohr (*15/03/1685 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig, casou-se com Johann Michael Rohr, em 02/03/1710 em Minheim;

III-Johann Jakob Rohr (*10/03/1686 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

IV-Johann Rohr (*13/06/1687 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

V-Johann Wilhelm Rohr (*29/05/1689 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

VI-Peter Rohr (*04/02/1691  Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se por volta de 1717 com Anna Margaretha N. O casal teve pelo menos três filhos: Anna Catharina, Anna Maria e Nikolaus;

VII-Johannes Matthias Rohr (*25/11/1692   Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

VIII-Claudius Rohr (*29/03/1694 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

IX-Jodocus Rohr (*23/06/1695 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Anna Barbara, viúva de Rodens, na data de 04/10/1716 em Minheim;

X-Nikolaus Rohr (*13/04/1704 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+01/03/1769 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), meu hexavô, casou-se em primeira núpcias com Johanna Margaretha Scharon (*1700 Niedermennig, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), na data de 28/01/1726, na Igreja Católica de Pellingen; em segundas núpcias, casou-se com Elisabeth Zeimet (*1727 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+1798 Alemanha), filha de Peter Zeimet e Helena Rarius, na data de 11/04/1747, na Igreja Católica de Pellingen. O casal teve pelo menos oito filhos: Margaretha, Nikolaus, Barbara, Johann, Anna Maria, Franz Anton, Johannes Petrus e Michael;

XI-Anna Barbara Rohr (*24/01/1706 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig, casou-se com Matthias Hardt (*Alemanha/+08/12/1774 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Peter Hardt e Elisabeth Scherer, na data de 12/09/1729 em Minheim. O casal teve nove filhos: Jodok, Peter, Maria Susanna, Maria, Nikolaus, Peter Frantz, Johann Georg, Joseph e Maria Barbara;

XII-Anna Rohr (*01/09/1708 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha).


O FALECIMENTO

Nikolaus Rohr faleceu em data e local até o momento ignorados.



NIKOLAUS ROHR 

Nikolaus Rohr, meu hexavô (6º avô), filho de Johann Gerhard Rohr e Maria Eisabeth Diedrich, nasceu em 13/04/1704 na cidade de Minheim, na Renânia-Palatinado, Alemanha. 


Minheim – Fonte: Wikipédia – Foto: Ben Bender


O 1º CASAMENTO

Nikolaus casou-se em primeira núpcias com Johanna Margaretha Scharon (*1700 Niedermennig, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), na data de 28/01/1726, na Igreja Católica de Pellingen. 


O 2º CASAMENTO

Nikolaus casou-se com Elisabeth Zeimet (*1727 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+1798 Alemanha), filha de Peter Zeimet e Helena Rarius, na data de 11/04/1747, na Igreja Católica de Pellingen. O casal teve pelo menos oito filhos.


OS FILHOS

I-Margaretha Rohr (*1750 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+05/04/1820 Niederzerf, Renânia-Palatinado, Alemanha) casou-se com Matrias Lillig (*17/10/1762 Zerf, Renânia-Palatinado, Alemanha/+23/10/1825 Zerf, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Johann Adam Lillig e Anna Müller, na data de 31/07/1787, na cidade de Zerf. O casal teve pelo menos dois filhos: Johann Lillig e Margaretha Lillig;

II-Nikolaus Rohr (*12/07/1752 Pellingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

III-Barbara Rohr (*24/09/1754 Krettnach, Renânia-Palatinado, Alemanha/+21/12/1805 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha) casou-se com Jakob Schue (*12/04/1747 Oberemmel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+05/04/1807 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Matthias Schue e Maria Katharina Remmel, na data de 21/04/1784, na cidade de Wiltingen. O casal teve pelo menos dois filhos: Nikolaus Schue e Jakob Schue;

IV-Johann Rohr (*23/12/1755 Pellingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

V-Anna Maria Rohr (*05/04/1757 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Matthias Mergen (*Alemanha/+Alemanha), por volta de 1794. Tiveram pelo menos uma filha chamada Maria Mergen;

VI-Franz Anton Rohr (*21/03/1759 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se em primeiras núpcias com Susanna Kramp por volta de 1781; em segundas núpcias com Margaretha Barth, por volta de 1807, com quem teve a filha Elisabetha Rohr; em terceiras núpcias com Susanna Schuter, filha de Johannes Schuter e Eva Thiel, na data de 24/05/1810, na cidade de Wiltingen; em quartas núpcias com Anna Maria Busch, filha de Franz Busch e Angela Schmitz, na data de 26/12/1817 em Wiltingen e, em quintas núpcias, com Margaretha Aron, filha de Johann Aron e Maria Katharina Quint, em 02/11/1821 na cidade de Wiltingen, com quem teve os filhos Anna Maria, Margaretha, Franz e Magdalena;

VII-Johannes Petrus Rohr (*08/08/1763 Palzem, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Pellingen. Sem mais notícias;

VIII-Michael Rohr (*19/06/1766 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+30/01/1823 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha), meu pentavô, casou-se com Maria Katharina Cremer (*20/07/1766 Klüsserath, Renânia-Palatinado,Alemanha/+19/01/1819 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha), filha de Johann Cremer e Elisabeth Blasmann, na data de 25/01/1792, na Igreja Católica de Wiltingen. O casal teve quatro filhos.

                                                                                        
A PROFISSÃO

Nikolaus Rohr era Professor na cidade de Krettnach. A família residiu em Palzem, conforme consta no batismo do filho Johannes Petrus Rohr em 1763. No censo realizado em 1766, consta que vivia em condições muito humildes, mas em seu falecimento ficou registrado que morreu como homem estimado e honrado (Fonte: Site Gedbas).


O FALECIMENTO

Nikolaus Rohr faleceu na data de 01/03/1769, na cidade de Wiltingen.



MICHAEL ROHR 

Michael Rohr, meu pentavô (5º avô), filho de Nikolaus Rohr e Elisabeth Zeimet, nasceu na data de 19/06/1766 em Wiltingen, cidade alemã da Renânia-Palatinado.


Wiltingen – Foto: Site Oficial de Wiltingen - Alemanha


O CASAMENTO

Michael Rohr casou-se com Maria Katharina Cremer (*20/07/1766 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+19/01/1819 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha), filha de Johann Cremer e Elisabeth Blasmann, na data de 25/01/1792, na Igreja Católica de Wiltingen. O casal teve pelo menos quatro filhos.


A Igreja Católica de Wiltingen

OS FILHOS

I-Johann Rohr (*23/07/1794 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

II-Johann Jacob Rohr (*23/07/1794 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+14/03/1801 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha);

II-Anna Maria Susanna Rohr (*20/05/1799 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+11/01/1887 Bom Princípio RS), minha tetravó (4ª avó), casou-se com Philipp Schmitz (*24/12/1797 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha/+09/01/1853 Picada Feijão, Ivoti, RS), na data de 14/02/1825, na cidade de Klüsserath, filho de Johann Nepomucenus Schmitz e de Anna Maria Schmitz. O casal teve sete filhos: Maria Anna, Pedro, Mathias, Ignês, Margaretha, Carlos e Catharina;

III-Maria Anna Rohr (*07/01/1803 Klüsserath, Renânia-Palatinado, Alemanha /+25/06/1890 Dois Irmãos RS) casou-se com Mathias Feiten (Veiten) (*31/03/1797 Ensch, Renânia-Palatinado, Alemanha/+03/03/1856 Dois Irmãos RS), filho de Jacob Feiten e Christine Merges, na data de 21/01/1823 em Klüsserath. O casal teve onze filhos: Gerhard, Jacob, Mathias, Margarida, Agnesa, Maria Magdalena, Mathias (Filho), Pedro, João, Catharina e Maria.

                                                                                        
O FALECIMENTO

Michael Rohr faleceu na data de 30/01/1823 na cidade de Klüsserath, viúvo de Maria Katharina Cremer, que faleceu na mesma cidade na data de 19/01/1819.




domingo, 19 de novembro de 2017

Família Diedrich












A ORIGEM E O SIGNIFICADO DO SOBRENOME (ANCESTRAIS DA FAMÍLIA ROHR)


Diedrich possui origem patronímica e designa o ‘filho de Theodorico’, que pode ter sido uma pessoa comum ou um governante. É uma forma regional do sobrenome alemão Dietrich que, por sua vez, deriva de "theud", significando pessoa ou raça, e da palavra germânica "rik", que significa "líder" ou "rei ". Foi verificado nos seus primórdios ao norte da Alemanha e na Holanda no Século XIII, sendo introduzido na Inglaterra no século XV.  Dietrich foi um dos nomes mais populares na Alemanha medieval, em grande parte como conseqüência da saga de "Dietrich von Bern", que se baseou provavelmente na vida e nas façanhas de Theodorico, o Grande, o rei dos Godos no Século V. O sobrenome pode apresentar diversas variações, como Dieterich (Áustria), Deeterich, Dieterick, Diterig, entre outras.
                                                                                      

O BRASÃO




Fontes: 4 Crests, Coat of Arms e Historical Research Center


AS ORIGENS


O sobrenome Diedrich está ligado aos ancestrais da família Rohr, os quais residiram na cidade de Minheim, na Renânia-Palatinado. O presente estudo, baseado nos registros existentes nos Familienbücher de Osann-Monzel e de Minheim, apresenta algumas informações sobre a ascendência e descendência de minha heptavó Maria Elisabeth Diedrich, sendo esta a bisavó paterna da imigrante Susanna Rohr. 


A CIDADE DE MINHEIM


Minheim é um município localizado no distrito (Kreis) de Bernkastel-Wittlich, na Renânia-Palatinado, Alemanha. Possui cerca de 500 habitantes, distribuídos numa área de 5,39 km². Com relação à paróquia, sua existência é registrada desde o ano de 1061. Minheim esteve sob o domínio francês a partir de 1794, integrou o Reino da Prússia em 1814, pelo Congresso de Viena e, desde 1947, passou a integrar o estado alemão da Renânia-Palatinado. Minheim dedica-se tradicionalmente à vitivinicultura, sendo este um dos maiores produtores da região central do Rio Mosel.




Vista de Minheim – Fonte: Wikipedia – Foto: Bem Bender


JOHANN DIEDRICH


Johann (Johannes) Diedrich, meu octavô (8º avô), nasceu por volta de 1630, em Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha. Os nomes de seus pais são até o momento ignorados.


O CASAMENTO


Johann Diedrich casou-se com Elisabeth Schanei (Schanaei) (*1634 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), por volta de 1652, em Minheim. O casal teve pelo menos cinco filhos.


OS FILHOS

I-Johann Jakob Diedrich (*22/04/1653 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Mittelstrimmig;

II-Anna Maria Diedrich (*08/10/1654 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig;

III-Conrad Diedrich (*1657 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Mittelstrimmig;

IV-Florinus Diedrich (*17/02/1661 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Mittelstrimmig;

V-Maria Elisabeth Diedrich (*30/03/1664 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), minha heptavó (7ª avó), casou-se com Johann Gerhard Rohr (*1651 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filho de Jodocus Rohr e Anna Schander, em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel), em 27/01/1681, na Igreja de St. Nikolaus. O casal teve doze filhos.


O FALECIMENTO


Johann Diedrich faleceu anteriormente ao casamento da filha Maria Elisabeth, em 27/01/1681, possivelmente em Minheim.


A primeira menção de uma igreja em Minheim foi relatada em 1064, sendo que o prédio que a sucedeu foi erigido no ano de 1680. A atual Igreja Paroquial de São João Batista foi construída entre os anos de 1840 e 1842 – Fonte: Site de Bernkastel


MARIA ELISABETH DIEDRICH


Maria Elisabeth Diedrich, minha heptavó (7ª avó), filha de Johannes Diedrich e Elisabetha Schanei (Schanaei), nasceu em 30/03/1664, em Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha, sendo batizada na Igreja de Mittelstrimmig.


O CASAMENTO

Maria Elisabeth casou-se com Johann Gerhard Rohr (*1651 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filho de Jodocus Rohr e Anna Schander, em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel), na data de 27/01/1681, na Igreja de St. Nikolaus. O casal teve doze filhos.


OS FILHOS

I-Elisabeth Rohr (*25/07/1683 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

II-Maria Katharina Rohr (*15/03/1685 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig, casou-se com Johann Michael Rohr, em 02/03/1710 em Minheim;

III-Johann Jakob Rohr (*10/03/1686 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

IV-Johann Rohr (*13/06/1687 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

V-Johann Wilhelm Rohr (*29/05/1689 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

VI-Peter Rohr (*04/02/1691  Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se por volta de 1717 com Anna Margaretha N. O casal teve pelo menos três filhos: Anna Catharina, Anna Maria e Nikolaus;

VII-Johannes Matthias Rohr (*25/11/1692   Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

VIII-Claudius Rohr (*29/03/1694 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

IX-Jodocus Rohr (*23/06/1695 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Anna Barbara, viúva de Rodens, na data de 04/10/1716 em Minheim;

X-Nikolaus Rohr (*13/04/1704 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+01/03/1769 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), meu hexavô, casou-se em primeira núpcias com Johanna Margaretha Scharon (*1700 Niedermennig, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), na data de 28/01/1726, na Igreja Católica de Pellingen; em segundas núpcias, casou-se com Elisabeth Zeimet (*1727 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+1798 Alemanha), filha de Peter Zeimet e Helena Rarius, na data de 11/04/1747, na Igreja Católica de Pellingen. O casal teve pelo menos oito filhos: Margaretha, Nikolaus, Barbara, Johann, Anna Maria, Franz Anton, Johannes Petrus e Michael;

XI-Anna Barbara Rohr (*24/01/1706 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig, casou-se com Matthias Hardt (*Alemanha/+08/12/1774 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Peter Hardt e Elisabeth Scherer, na data de 12/09/1729 em Minheim. O casal teve nove filhos: Jodok, Peter, Maria Susanna, Maria, Nikolaus, Peter Frantz, Johann Georg, Joseph e Maria Barbara;

XII-Anna Rohr (*01/09/1708 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha).


O FALECIMENTO


Maria Elisabeth Diedrich faleceu em data e local até o momento ignorados.


Família Diedrich - Genealogia

(Antepassados da Família Rohr)

Segue abaixo a árvore genealógica da família no formato PDF, desde os ancestrais mais antigos, que pode ser acessada através do link do Google Drive.


Clicar no link abaixo para visualizar a árvore genealógica da família:
Última atualização 19/11/2017

Família Schanei












A ORIGEM E O SIGNIFICADO DO SOBRENOME (ANCESTRAIS DA FAMÍLIA ROHR)


O sobrenome Schanei ou Schanaei é de origem desconhecida. Este raro sobrenome foi encontrado na maior parte dos registros de batismo dos filhos da ancestral Elisabetha Schanei, com exceção da filha Maria Elisabeth, no qual figura o sobrenome Schanerges, este último inexistente conforme estudo realizado. Numa pesquisa, foram encontrados apenas alguns dados genealógicos de uma família da Eslováquia com o sobrenome Schanei. Uma possibilidade de origem da palavra ‘schanei’ é o vocábulo ‘schnäi’ vindo do dialeto da Baviera, com o significado de rápido, equivalente à palavra ‘schnell’ no alto alemão. A variante Schanaei apresenta o ‘ae’ ou ‘æ’ do latim, onde se observa o ditongo derivado da ligadura do ‘a’ com o ‘e’, encontrado nos textos medievais.


AS ORIGENS


O sobrenome Schanei está ligado aos ancestrais da família Rohr, residentes na cidade de Minheim, na Renânia-Palatinado. O presente estudo, baseado nos registros existentes no Familienbücher de Osann-Monzel e de Minheim, apresenta algumas informações sobre a descendência de minha octavó Elisabeth Schanei, sendo esta a trisavó paterna da imigrante Susanna Rohr. 


A CIDADE DE MINHEIM


Minheim é um município localizado no distrito (Kreis) de Bernkastel-Wittlich, na Renânia-Palatinado, Alemanha. Possui cerca de 500 habitantes, distribuídos numa área de 5,39 km². Como paróquia, sua existência é registrada desde o ano de 1061. Esteve sob o domínio francês a partir de 1794, integrou o Reino da Prússia em 1814, pelo Congresso de Viena e, desde 1947, passou a integrar o estado alemão da Renânia-Palatinado. Minheim dedica-se tradicionalmente à vitivinicultura, sendo um dos maiores produtores da região central do Rio Mosel.




Panorama de Minheim  – Fonte: Site de Bernkastel


ELISABETHA SCHANEI (SCHANAEI)


Elisabetha Schanei, minha octavó (8º avó), nasceu por volta de 1634, em Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha. Os nomes de seus pais são até o momento ignorados. Apenas no registro da filha Maria Elisabeth Diedrich, o sobrenome aparece como Schanerges.


O CASAMENTO


Elisabetha casou-se com Johann Diedrich (*1630 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+antes jan/1681 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha), por volta de 1652, em Minheim. O casal teve pelo menos cinco filhos.


OS FILHOS

I-Johann Jakob Diedrich (*22/04/1653 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Mittelstrimmig;

II-Anna Maria Diedrich (*08/10/1654 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig;

III-Conrado Diedrich (*1657 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Mittelstrimmig;

IV-Florinus Diedrich (*17/02/1661 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizado na Igreja de Mittelstrimmig;

V-Maria Elisabeth Diedrich (*30/03/1664 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), minha heptavó (7ª avó), casou-se com Johann Gerhard Rohr (*1651 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filho de Jodocus Rohr e Anna Schander, em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel), em 27/01/1681, na Igreja de St. Nikolaus. O casal teve doze filhos.


O FALECIMENTO


Elisabetha Schanei faleceu em local e data até o momento ignorados.



MARIA ELISABETH DIEDRICH


Maria Elisabeth Diedrich, minha heptavó (7ª avó), filha de Johannes Diedrich e Elisabetha Schanei (Schanaei), nasceu em 30/03/1664, em Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha, sendo batizada na Igreja de Mittelstrimmig.


O CASAMENTO


Maria Elisabeth casou-se com Johann Gerhard Rohr (*1651 Monzel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), filho de Jodocus Rohr e Anna Schander, em Monzel (Gemeinde Osann-Monzel), na data de 27/01/1681, na Igreja de St. Nikolaus. O casal teve doze filhos.


Vista da Igreja e do município de Minheim – Fonte: Site de Romantic Cities

OS FILHOS


I-Elisabeth Rohr (*25/07/1683 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

II-Maria Katharina Rohr (*15/03/1685 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig, casou-se com Johann Michael Rohr, em 02/03/1710 em Minheim;

III-Johann Jakob Rohr (*10/03/1686 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

IV-Johann Rohr (*13/06/1687 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

V-Johann Wilhelm Rohr (*29/05/1689 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

VI-Peter Rohr (*04/02/1691  Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se por volta de 1717 com Anna Margaretha N. O casal teve pelo menos três filhos: Anna Catharina, Anna Maria e Nikolaus;

VII-Johannes Matthias Rohr (*25/11/1692   Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha); 

VIII-Claudius Rohr (*29/03/1694 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha);

IX-Jodocus Rohr (*23/06/1695 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha) casou-se com Anna Barbara, viúva de Rodens, na data de 04/10/1716 em Minheim;

X-Nikolaus Rohr (*13/04/1704 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+01/03/1769 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha), meu hexavô, casou-se em primeira núpcias com Johanna Margaretha Scharon (*1700 Niedermennig, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), na data de 28/01/1726, na Igreja Católica de Pellingen; em segundas núpcias, casou-se com Elisabeth Zeimet (*1727 Wiltingen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+1798 Alemanha), filha de Peter Zeimet e Helena Rarius, na data de 11/04/1747, na Igreja Católica de Pellingen. O casal teve pelo menos oito filhos: Margaretha, Nikolaus, Barbara, Johann, Anna Maria, Franz Anton, Johannes Petrus e Michael;

XI-Anna Barbara Rohr (*24/01/1706 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha), batizada na Igreja de Mittelstrimmig, casou-se com Matthias Hardt (*Alemanha/+08/12/1774 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha), filho de Peter Hardt e Elisabeth Scherer, na data de 12/09/1729 em Minheim. O casal teve nove filhos: Jodok, Peter, Maria Susanna, Maria, Nikolaus, Peter Frantz, Johann Georg, Joseph e Maria Barbara;

XII-Anna Rohr (*01/09/1708 Minheim, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha).


O FALECIMENTO


Maria Elisabeth Diedrich faleceu em data e local até o momento ignorados.